MATÉRIA ESPECIAL – PROBLEMAS DE REFLUXO DE ESGOTO E LIGAÇÕES CLANDESTINAS

Araçatuba esta em período de chuvas em quase todos os dias deste mês de Janeiro. Por conta disso muitas ligações para a GS Inima SAMAR e para a Agência Reguladora e Fiscalizadora – DAEA vem acontecendo devido a extravasamentos de esgoto nas residências e PV´s.

Isso acontece geralmente por conta de ligações clandestinas de águas pluviais residenciais nas redes de esgoto. Para esclarecer mais sobre esse assunto, falamos com o Engenheiro Civil Tarso Luís Cavazzana, com graduação de Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais pela FEIS/UNESP e MBA em Gestão Empresarial. Ele trabalha atualmente na Prefeitura Municipal de Araçatuba, UNIP e TLC Engenharia desde o início de 2004.

No caso de ligações clandestinas, Tarso explica que: “São ligações irregulares de águas pluviais no esgoto, ou do esgoto nas águas pluviais (chuva). No Brasil, é adotado o sistema separador absoluto, ou seja, não deve haver ligação de esgotos nas de águas pluviais ou o contrário, sendo irregulares essas ligações. Em geral, as ligações de águas pluviais nos esgotos provocam um aumento de vazão que a rede de esgotos não suporta, provocando refluxo”.

Ao perguntar do porque essa pratica é comum ele responde que “por serem provenientes de obras que ficam enterradas, isso dificulta a prévia identificação, ou seja, após feito, somente quando da o problema de refluxo é que se identifica uma ligação clandestina.” Completa ele.

Muitas vezes as pessoas não sabem que tem esse tipo de instalação ilegal em suas casas, mas quando são identificadas, da para resolver chamando profissionais competentes para consertar o problema. “Após feita e identificada a ligação clandestina, normalmente pode-se colocar um desconector ou caixa de passagem no final da rede de esgotos, e ligar essa à rede pública. No caso das águas pluviais, devem ser destinadas à drenagem da via, normalmente na sarjeta.” Explica o Engenheiro Tarso falando os métodos corretos de regularizar o encanamento do imóvel.

Há também alguns dispositivos que são utilizados para evitar que o refluxo de esgoto aconteça dentro das residências, como a própria caixa de passagem citada acima. “Nesse caso, uma caixa de passagem, tratada em norma como desconector final, antes da rede pública. Esse dispositivo evita, em caso de refluxo na rede pública, o retorno de esgotos para dentro da edificação.” Completa Tarso, dizendo que é uma norma sanitária que toda residência deveria ter instalada em sua rede de esgoto.

Os outros dispositivos são numerados por ele. “Existem as caixas e ralos sifonados e com selo hídrico, válvula de retenção (que permite fluxo apenas de dentro para fora da edificação), bem como os tubos de ventilação auxiliam e evitam extravasamentos e refluxos dentro de seus parâmetros de utilização, dado que se um local fica alagado, por exemplo, pelas leis da física e química, haverá propagação de esgotos para a superfície, por gravidade ou diluição.” Finaliza.

“Outro fato observado, é que muitos transbordamentos ainda acontecem devido à necessidade de limpeza de galhos, folhas e principalmente sacos plásticos e garrafas de PET que entopem bocas de lobo e sistemas de drenagem.” Encerrando assim com um pedindo de conscientização das pessoas para que a cidade possa se manter limpa e as redes pluviais e de esgotos possam sempre funcionar de maneiras corretas e higiênicas.

pt_BRPortuguese